Planeta

26/07/2016 10h00

Por dentro dos plásticos biodegradáveis

Entenda melhor a controvérsia sobre a utilização deste produto que promete ser sustentável

Por Nosso Bem Estar

Arquivo Nosso Bem Estar
Natureba

O processo de biodegradação ocorre quando determinados materiais são fragmentados ou usados como fonte de alimento para micro-organismos

O jeito de consumir da população mundial vem mudando a cada dia que passa e um dos maiores responsáveis por estas mudanças é a preocupação com o meio ambiente. Ou seja, quanto menos lixo, melhor. E quando ele existir, que seja biodegradável.

O processo de biodegradação ocorre quando determinados materiais são fragmentados ou usados como fonte de alimento para micro-organismos presentes no ambiente em áreas de compostagem, no solo, mar, entre outros.

No caso dos plásticos, você sabe como este processo acontece? Então continue acompanhando nosso texto e saiba tudo sobre o assunto!

A verdade sobre o plástico biodegradável

A degradação do plástico é uma das maiores preocupações no Brasil, pois, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), cerca de 12 bilhões de sacolas são consumidas por aqui a cada ano e 80% delas viram lixo. Sem esquecer, é claro, das garrafas pets, embalagens de alimentos e produtos, copos e talheres descartáveis, entre outros.

A verdade é que todo tipo de plástico se degrada sozinho na natureza, o problema é o tempo que este processo leva: centenas de anos (de 500 a 1000). Para minimizar o problema, algumas empresas criaram versões biodegradáveis de seus produtos, que se decompõem mais rapidamente no ambiente. Para isso, adicionaram misturas com amido ou celulose na mistura do plástico.

Em teoria, este tipo de plástico se decompõe mais rápido, pois possui componentes mais simples para a atividade dos micro-organismos, situação contrária ao plástico tradicional, que tem como base as resinas petroquímicas, altamente resistentes à ação do tempo.  

Neste mercado há, inclusive, marcas de sacolas que prometem embalagens feitas a partir da mandioca que se decompõem em apenas dez dias. Uma grande vantagem para o meio ambiente e também para os consumidores, que podem usá-las de forma mais sustentável.

Sacolas biodegradáveis: uma solução ou mais um problema?

Segundo alguns estudos realizados por profissionais brasileiros, a presença de celulose ou amido não garante que a embalagem irá se decompor mais rapidamente ou adequadamente em ambientes sem luz e oxigênio.  Ou seja, este tipo de material exige condições bem específicas para que a promessa de biodegradação ocorra de forma saudável, caso contrário, ele pode transformar-se, apenas, em mais um material prejudicial para o meio ambiente.

Dessa forma, é preciso descobrir em que esta sacola irá se transformar após estar 100% degradada, qual será o resultado final. Este assunto, infelizmente, ainda é um mistério para consumidores, empresas e até mesmo para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Ainda são precisos muitos estudos para que se chegue a uma resposta concreta, e os consumidores e as empresas de coleta de lixo possam dar o descarte correto para suas sacolas biodegradáveis.

Apesar disso, ainda continua valendo optar pelas versões ecológicas e, se possível, dar preferência para as composteiras na hora de descartá-las.

Você já conhecia estes fatos sobre as sacolas e embalagens biodegradáveis? Conte sua opinião pelos comentários! E para ler outros artigos sobre sustentabilidade e meio ambiente, continue acompanhando os artigos em nosso portal!

X